Review: Resident Evil 7 biohazard



Antes de mais nada, o texto foi escrito pelo ADM Gabriel Scórsin que montou sua crítica e a passou por aqui.

Em 2016, todos nós fomos pegos de surpresa vendo um trailer sinistro e aterrorizante com uma música macabra e que ao final mostrava o número romano “VII” e depois o título “Resident Evil”. Para alguns foi uma alegria porque significava que o terror estava de volta. Já para outros, não, muitos fãs criaram polêmicas dizendo que a Capcom estragou de vez a franquia ao mudar um pouco o estilo que estava sendo mostrado na Demo e trailers. Porém, estou aqui para provar o contrário.



Resident Evil 7 biohazard conseguiu trazer muito a experiência que tivemos ao jogar o primeiro Resident Evil de 1996. Na verdade, eu senti como se estivesse jogando o primeiro Resident Evil na câmera em primeira pessoa e mudando os personagens e inimigos porque o resto é muito parecido. A munição é escassa, ervas também são, a ambientação é assustadora e a trilha sonora combina perfeitamente com cada momento do jogo, principalmente a clássica sala de save. Irei então separar os tópicos para ficar mais fácil a análise.


A HISTÓRIA:

A história de Resident Evil 7 se passa após os eventos de Resident Evil 6 e não possui uma grande ligação com o passado da franquia, algo negativo para mim ao primeiro ver, porém, pensando bem, temos que ver que a Capcom chegou a forçar um pouco histórias de alguns personagens e já estava na hora de termos um jogo com uma história bem diferente. Então não é uma história rica e que irá responder perguntas sobre o passado de Resident Evil, mas é uma história bem construtiva e de fácil entedimento, principalmente se você ler os files que encontra ao decorrer do jogo.



Não posso falar tanto da história porque irei dar spoilers, o que você precisa saber é que a história de Resident Evil 7 é muito boa, mas não irá fazer conexões com o passado da franquia.

PERSONAGENS:

No jogo você controla Ethan Winters, um civil comum como você que tem algumas habilidades com armas. Sua esposa, Mia Winters, estava desaparecida por alguns anos e ele recebe uma mensagem estranha de Mia pedindo para ser resgatada. Ethan acha estranho e decide investigar. Isso é um ponto muito positivo. Lógico que no primeiro Resident Evil, não tínhamos civis, e sim Chris Redfield e Jill Valentine (que juntos conseguiram só destruir uma das maiores corporações do mundo), mas nem Chris e nem Jill conseguiam dar ataques como dão nos últimos capítulos da franquia. Vale lembrar também que Resident Evil não teve somente militares, vemos isso através de Claire Redfield, uma estudante comum e que todas suas habilidades tem origem de Chris. O fato é que os ataques “fod@s” que Leon, Ada, Chris, Jill, Claire, Jake, Wesker, etc deram nos últimos jogos influenciou a ação crescer.



Com as poucas habilidades em combate de Ethan, você se sente tenso no jogo, isso faz o terror crescer ainda mais e te deixar mais desesperado com os recursos limitados que você tem.
Mas afinal, os personagens tem alguma ligação com personagens clássicos? Não irei responder, pode ser spoiler, né, porém, posso falar algo que pode até te deixar meio curioso: Se você jogou Resident Evil Revelations, você irá reconhecer o nome de um certo personagem em um determinado momento do jogo que me causou algumas dúvidas, porém irei pensar mais sobre isso depois.

A CÂMERA EM PRIMEIRA PESSOA

A grande polêmica que fizeram os “fãs” falarem “Resident Evil em primeira pessoa não é Resident Evil”, “Esse Resident Evil será horrível”, “A Capcom estragou com Resident Evil” e agora irei ser bem sincero: Eu não gosto de jogos em primeira pessoa, mas nem por isso deixei de curtir Resident Evil 7. Prefiro ainda Resident Evil com sua câmera clássica, mas do jeito que a franquia estava, talvez seria bom ter um jogo numerado em primeira pessoa que pudesse influenciar o terror de sobrevivência crescer na série novamente.



Portanto, mesmo que você não goste de primeira pessoa, jogue, eu garanto que você ira se divertir e depois rir de você mesmo se assustando com os Bakers ou outros inimigos.

INIMIGOS

Algo que se aproximou mais ainda dos clássicos Resident Evil foi a questão dos inimigos e não digo isso em relação a personlização e ataques deles e sim aos encontros. Em Resident Evil 4, Resident Evil 5 e Resident Evil 6 nós vemos zumbis, BOWs, Ganados, Mijinis, armas biológicas em geral praticamente a cada minuto. Em Resident Evil (1996), Resident Evil 2 e Resident Evil 3 nós vemos bastantes zumbis também, mas não tanto como nos últimos títulos e cada encontro que você tinha era uma dor em gastar sua munição. Em Resident Evil 7, não temos muitos inimigos, mas os encontros que você tem com as BOWs e Bakers são marcantes e podem te fazer perder bastante munição.



TERROR DE SOBREVIVÊNCIA

Algo muito focado em Resident Evil 7 é de fato o esquema de sobrevivência de Ethan e Mia. Poucos recursos, personagem limitado e inimigos aterrorizantes, é um terror de sobrevivência. Você irá se ver no passado ao contar munição, ervas, o que deixa no Item Box e o que leva, etc.



ELEMENTOS CLÁSSICOS

- Item Box
- Sala de save (com uma música de alívio)
- Combates armados (gastar 5 balas de handgun em um inimigo só)
- Terror
- Chaves de diferentes tipos
- Presença da nossa “querida” Umbrella
- Ambientes (além da casa, tem mais um que é clássico e que você entra no final do jogo, mas não posso falar, pode ser considerado spoiler)
- Ameaça viral
- Puzzles
- Muito mais

GRÁFICOS

Não são tão impressionantes, já vou logo avisando, porém, eu não ligo tanto para gráficos, lógico que é sempre bom jogar um jogo bonito, mas para mim não é o que importa em um game. Os gráficos de Resident Evil 7 não são perfeitos, mas são até bons.



O QUE VEM AGORA?

“Resident Evil 7 não fala nada sobre nenhum personagem? Ele não continua com a história?”, não posso falar nada, há a presença de uma figura que até deixa dúvidas no final do jogo e isso pode ser algo a ser explorado no futuro da franquia. Mas não falaremos sobre isso, afinal, nem foram lançadas as DLC’s que podem completar e até continuar a desenvolver a história dos últimos capítulos da franquia, afinal vale lembrar que Alex Wesker está a solta no corpo de Natalia fora a figura presente no final de Resident Evil 7 que pode ser algo a ser explorado intensamente em futuros jogos.

RESUMÃO

Se você ficou com preguiça de ler tudo isso, ok, darei um resumo para você. Resident Evil 7 biohazard consegue trazer toda a experiência clássica de “Resident Evil” com uma história muito bem contada e até com momentos meio emocionantes. É um jogo que conta com uma jogabilidade boa, gráficos bonzinhos e que pode te trazer momentos de sustos grandes e pequenos e te trazer muita diversão. O preço do jogo vale a pena? Não sei a edição Deluxe, mas para mim, o preço normal até agora valeu a pena, é muito bom poder jogar um Resident Evil com Surival Horror na nova geração. Recomendo a todos os fãs e aqueles que querem conhecer mais a franquia. Nota final: 9,5 “You have once again entered the world of Survival Horror... Good Luck!”



Comentários