ANÁLISE: Resident Evil 2 Remake (Sem Spoilers)


Foram 3 anos esperando o Remake de Resident Evil 2, originalmente lançado em 1998 e que marcou história nos videogames. Desde o Remake do primeiro Resident Evil, a legião de fãs da franquia pediu muito a Capcom que refizessem também o segundo título e em 2015, o sonho de muitos virou realidade com o produtor de Resident Evil 6, Yoshiaki Hirabayashi, gravou um vídeo anunciando o projeto que acabaria de começar. Felizmente, o dia chegou. Confira nossa análise de Resident Evil 2 Remake (Sem Spoilers):


JOGABILIDADE:

Não a o que reclamar. A jogabilidade de Resident Evil 2 Remake é bem parecida com a de Resident Evil 7 biohazard e com uma pitada da de Resident Evil Revelations 2, resultando em ótimos movimentos e certo conforto para o jogador quando não há zumbis ou um Mr. X lhe perseguindo. Um ponto super positivo, aliás, pois quando os inimigos começam a lhe perseguir, ficaria bem chato o personagem correr como uma ferrari e não ter o desafio que o jogo propõe. A jogabilidade garante a Leon e Claire movimentos fluidos e sem demasiadas complicações para controlá-los, fazendo parte da imersão do jogador no conteúdo.


GRÁFICOS:

Um dos pontos destaques desse jogo são os gráficos proporcionados pela RE Engine. São impressionantes entregando uma vasta riqueza de detalhes tanto no cenário quanto nos rostos e expressões dos personagens. Leon, Claire, Ada e Sherry estão bem mais realistas e durante o jogo é possível ver muitas expressões totalmente detalhadas para eles. Quando fazem esforço para levantar algo, trincam os dentes, colocam um pouco da língua pra fora, quando ficam com medo ou são agarrados por inimigos, as sobrancelhas levantam numa expressão de surpresa. Sem falar que os figurinos dos personagens também são bem detalhados, com destaque ao figurino de Claire que usa a jaqueta com o Made in Heaven nas costas, agora estampado como se tivesse sido chapado e no jogo não ficou algo como um desenho qualquer nas costas dela.


Fora o cenário que cada coisa espalhada é bem montada e detalhada. Lógico que a Capcom reaproveitou muitos elementos de Resident Evil 7 biohazard que também usou o motor gráfico da RE Engine, então é possível encontrar manequins, vasos de flores, caixas metálicas, relógios etc que vemos na casa dos Bakers. Os cenários também contam com presença de lindas nuvens de fumaças que atrapalham a visão do jogador, mas é certamente bonito de ver os detalhes realistas, também chamando a atenção da chuva. As gotas de água respingam ao cair em bases físicas e até no corpo dos personagens.


Outro destaque na parte de gráficos são os zumbis que possuem 3 camadas: Osso, carne e pele. Os tiros que eles sofrem acabam perfurando seus corpos e mostram em detalhes a pele rasgada, a carne perfurada e um pouco dos ossos, claro, com muitas jorradas de sangue. Eles também estão com detalhes surpreendentes em seus machucados e aparências.


SOM

Uma parte de destaque: SOM. Importantíssimo em Resident Evil 2 Remake e parte essencial para a imersão do jogador no game. O som é realista também e dá a ideia da localização dos inimigos, você consegue ouvir os passos de zumbis e lickers e ter ideia se eles estão vindo atrás ou a frente ou então de cima (só no caso dos Lickers). Mas o som fica mais intenso quando o Mr. X (Tyrant T-103) aparece e faz sons desesperadores batendo suas botas pesadas no chão. Você tem ideia de onde ou a que distância o Mr. X está no mapa com o som. Tirando é claro os efeitos sonoros que ficaram incríveis.


TRILHA SONORA

Um ponto meio negativo. A trilha sonora é boa, mas de jeito nenhum alcança a trilha sonora original. Tudo bem que a Capcom merece um desconto porque a trilha do original é bem complicada de superar. Ainda assim, parece que a empresa não se esforçou muito nesse questio. Felizmente a empresa lançou uma DLC já inclusa na versão Deluxe do jogo em que os jogadores podem trocar a trilha do Remake para a trilha sonora original, e acredite: Vale muito a pena, é simplesmente incrível jogar o Remake com a trilha original. Em contrapartida, como dito, é uma DLC e está inclusa somente na versão Deluxe que é um pouco mais cara que a versão Padrão, infelizmente para ter essa experiência é necessário comprar o conteúdo (algo injusto em minha opinião).


HISTÓRIA:

Um ponto agora com erros e acertos. Resident Evil 2 Remake muda bastante a história que conhecíamos. Continua a mesma premissa, ou seja: No lado de Leon, o rapaz está indo cumprir seu primeiro dia de trabalho, chega em Raccoon, é feito de trouxa por Ada Wong e escapa da cidade. Com Claire, a jovem chega em Raccoon a procura de seu irmão, encontra Sherry, salva a garota e escapa da cidade com ela. Acontece que algumas alterações não são tão plausíveis e se passam por desnecessárias. Entretanto, nada que estrague o futuro do canon.


O que mais decepcionou na História/Narrativa, foi a questão dos cenários alternativos 1st e 2nd. Eles são mais ou menos os cenários A e B do original, mas não chegam a ser, de fato, o Zapping System. Os cenários A e B alteram, não só detalhes como posições de itens e alguns puzzles, como também a história toda. O 1st e 2nd cenários de Resident Evil 2 Remake deixam as coisas completamente mais confusas e temos todos que concordar que a Capcom foi bem preguiçosa nesse ponto. Nada contra fazer os 4 cenários e deixar o jogador escolher o personagem que chegará primeiro a delegacia. Acontece que a única coisa que muda é o começo e só. O resto do jogo está completamente igual com diferença apenas de puzzles e localização de itens. E mesmo você jogando na sequência, ou seja, jogar primeiro o 1st Run e depois o 2nd Run, existem furos na narrativa como personagens que morrem duas vezes de jeito diferente, tanto Leon e Claire enfrentam quase as mesmas coisas.


Isso é parecido com o primeiro Resident Evil e felizmente, com o Livro Resident Evil Archives temos uma ideia do que é canon e o que não é para Chris e Jill. Já em Resident Evil 2 Remake, os 4 cenários deixaram tudo mais confuso ainda e teremos de esperar para saber qual é o canon oficial, ou seja, quem enfrentou tal inimigo específico, como tal personagem morreu, etc.


Mas pontos super positivos para a narrativa: aprofundamento de personagens. Brian Irons, William Birkin, Robert Kendo, Marvin Branagh, Annette, todos esses personagens foram mais aproveitados e receberem ciclos dramáticos bem mais interessantes que fazem o jogador se apaixonar ainda mais pelo enredo de Resident Evil 2. No lado de Leon, temos um aprofundamento maior do rapaz começando a vida de agente que luta contra bioterrorismo, mostrando bem quem ele é, o que ele levou de sua personalidade para seu trabalho e como amadureceu. Ada se mostra bem mais interessante, bem mais "espiã" e bem mais empoderada, assim, também fazendo uma ótima "nova-estreia" na série.


Já no lado de Claire, eu coloco como a grande campanha e ponto mais positivo em relação a narrativa. Tudo bem que é a minha opinião, eu tenho um carinho bem maior pela Claire e também tenho um lado bem sentimental com crianças, mas outras pessoas disseram que gostaram mais da campanha de Claire. A relação dela com Sherry foi mais aprofundada. Claire está bem mais rebelde, mostra-se com mais garra e "cabeça-quente" igualzinha ao seu irmão, Chris, que perde a cabeça em situações de desespero. Ela solta diversos palavrões durante o jogo e mostra-se estressada com os acontecimentos. Mas ao lado de Sherry, ela só passa segurança e mostra apenas doçura para a garota, aquela Claire clássica que conhecíamos.


Sherry também foi bem mais aprofundada junto a sua mãe, Annette Birkin. A relação de mãe e filha das duas foi mais explorada e mostra mais da obsessão e loucura de Annette pelo seu trabalho e como Sherry sofre com isso. Durante o jogo, quem for mais sentimental, vai ter momentos em que você sentirá muita pena da garota pelo que ela passa e você acabara amando mais ainda a Claire ao ver a jovem entregando todo o seu lado materno a garota e ajudando Sherry da forma mais amável possível. Com certeza, pra mim, o enredo da campanha de Claire foi o melhor de Resident Evil 2 Remake.


DESAFIO

O desafio de Resident Evil 2 Remake é grande. Várias vezes você ficará sem munição de absolutmente nada, ou seja, nem de pistola, nem de shotgun, grenade launcher, magnum, etc. Isso porque o jogo hora ou outra trás hordas de zumbis que morrem apenas com dezenas de tiros, lickers famintos que correm mais rápido que o Wesker em Resident Evil 5, um Mr. X do tamanho do Nemesis e na insanidade de Jack Baker e um William Birkin com uma força mais bruta que o Hulk. É difícil matar inimigos e também desviar de seus ataques. Isso resulta em você tendo que abrir o mapa toda santa hora ou ficar parado em uma área segura desenhando seu trajeto e procurando saber por onde ir e qual trajeto é o menos pior. 


RESUMÃO:

Resident Evil 2 Remake é com certeza um dos melhores jogos da franquia e com cada vez mais adições da Capcom e segredos que estão sendo descobertos pelos jogadores, um dos melhores jogos de terror já feitos. Um jogo que com certeza ficará para a história e honrou muito bem o original. Seus detalhes técnicos e construção gráfica estão entre as mais revolucionárias no mercado dos games. As mudanças feitas nos mapas e no enredo podem preocupar os fãs, mas esperaremos para saber o que vem por aí para Resident Evil, pois essas mudanças não afetam a experiência dos jogadores. Como ponto negativo, apenas vemos a confusão de canon em relação aos cenários alternativos. O resto, o jogo é perfeito. Recomendado para todos os fãs, novos ou clássicos, para fãs de horror e até para os gamers hardcore que amam desafios em jogos.

NOTA FINAL: 9.5



Comentários