Análise/REview: Resident Evil Resistance


Resident Evil Resistance é um game extra de Resident Evil 3. Anteriormente conhecido como Project Resistance, o multiplayer online permite que 5 jogadores possam se reunir para aproveitar algumas partidas. 4 sobreviventes contra 1 vilão que lidera experimentos sádicos. Infelizmente, não foi dessa vez que a Capcom conseguiu fazer um novo modo online que pudesse ser divertido e bom ao mesmo tempo. Resident Evil Resistance possui muitos erros e acertos e ao longo desta análise iremos aborda-los. Pelo menos devo dizer que vale a pena testá-lo.


Análise por: Gabriel Scórsin


INTRODUÇÃO

Quando joguei a beta fechada de Project Resistance, acreditei que o jogo tinha muito potencial. O que mais me incomodou naquela beta foi a falta de equilíbrio entre as habilidades dos masterminds e dos sobreviventes, além de servidores péssimos que ocasionaram diversos bugs e falta de conexão entre os jogadores. O mais necessário para transformar o Resistance em um grande jogo online para Resident Evil 3 era justamente isso. Infelizmente, até hoje a Capcom permanece nos mesmos erros e acaba afastando mais jogadores com o passar do tempo. Apesar disso, o jogo, quando em boa conexão e com masterminds e sobreviventes em níveis equilibrados pode ser uma experiência muito divertida.


FALTA DE EQUILÍBRIO

Você acha que o fato dos sobreviventes estarem em número maior e cada um com uma habilidade diferente é OP? Bom, os masterminds podem operar diferentes câmeras no cenário, podem controlar zumbis, colocar zumbis, cães, lickers e ivys - sendo essas só morrendo também com fogo - todos os monstros demoram um tempo para serem derrotados, o mastermind pode operar armas biológicas como Mr. X, Nemesis e G, podem colocar armadilhas, podem operar armas de fogo nas câmeras - que a princípio tiram muito life e tempo restante dos sobreviventes...


Os próprios zumbis, quando agarram um sobrevivente, é descontado 15 segundos (SIM, 15 SEGUNDOS para cada monstro que te agarra - o que é muito fácil porque raramente os zumbis simplesmente te arranham). Imagine que dois sobreviventes sejam agarrados por monstros ao mesmo tempo e outro sobrevivente está sofrendo com os tiros das armas de fogo do mastermind. Já se vão mais ou menos uns 45 segundos jogados fora no time da partida. Como se não bastasse, os masterminds também podem toxicar os zumbis o que dificulta muito o lado dos sobreviventes. Fique do lado de um zumbi tóxico e rapidamente seu personagem começará a tossir e ficar mais fraco. Nos momentos que você mais precisa do foco do seu personagem, eles vão tossir... E lógico, cada tosse equivale a menos 5 segundos.


A maioria das criaturas também podem agarrar os sobreviventes facilmente já que a sala onde os jogadores estão tem como host o mastermind... E aí você imagina: um mastermind com uma conexão ruim como host de uma sala... Ele já tem vantagem sobre os sobreviventes, com os bugs que vão ocorrer pelos péssimos servidores de Resistance, os sobreviventes não tem a menor chance de ganhar. Já perdi as contas de quantas vezes fiquei preso ou repetindo uma ação por causa da "bela" conexão que o Resistance tem.


Os masterminds estão bem OP ainda e isso é péssimo para um multiplayer assimétrico. Conforme vão subindo de nível, eles também podem aprimorar habilidades como fazer com que os monstros deem mais danos - as vezes até uma mordida pode acabar de vez com o life de um sobrevivente - podem deixar as armadilhas com mais dano, as armas biológicas mais rápidas e por aí vai. Algumas partidas até começam já com lickers e um exército de zumbis tóxicos contra sobreviventes que começam só com 250 Umbrella Credits e pouquíssimos recursos. Resultado: a partida acaba em menos de 2 minutos.


Como se não bastasse, MUITOS jogadores que operam os masterminds não aceitam a derrota e podem abandonar tranquilamente partidas, o que acaba tirando muitos pontos dos demais jogadores ou impedindo que eles completem as missões diárias. De uma forma ou de outra, o jogo poderia ter um equilíbrio maior. É até raro ganhar partida de sobrevivente e isso afasta muitos jogadores do jogo que gostariam apenas de se divertir e não de se estressar com essa falta de equilíbrio e bugs constantes.


GRÁFICOS

Apesar dos erros de Resistance, tenho que dizer que é muito bom jogar um game na RE Engine online. Os gráficos não chegam aos pés de Resident Evil 2 ou Resident Evil 3, algumas texturas do cenário e até mesmo nos modelos dos personagens são prejudicadas, mas muito provavelmente pelo bem do desempenho do jogo - apesar de que o desempenho online não tá nada bom, né, Capcom? Deve ser complicado a RE Engine ser colocada no nível de jogo online. Por mais que os gráficos não estejam como em RE2 e RE3, são gráficos até bem bonitos.


SOM E TRILHA SONORA

Resident Evil Resistance bebe da mesma fonte que Resident Evil 3 nesse quesito. Tanto o som quanto a trilha sonora são ótimos. Os efeitos sonoros são bem condizentes com os elementos do jogo e está bem colocado para um jogo online. Diferentemente de Resident Evil 3 em que sons de zumbis podem ser ouvidos apenas alguns metros do personagem e há um grande foco na ambientação, Resistance na verdade permite que o jogador ouça praticamente todo o cenário e apenas a dublagem dos personagens quando está perto. Esses efeitos ouvidos de longe ajudam o jogador ficar mais atento na partida.


Por exemplo, algo muito perigoso é quando mastermind controla os zumbis, pois além do zumbi ficar mais forte e rápido, os golpes são mais violentos, tiram mais vida e tempo. Quando o mastermind começa a controlar um zumbi, mesmo que do outro lado do cenário, os sobreviventes ouvem o efeito para que já fiquem atentos no que pode vir. Sem falar também que é possível ouvir de perto armadilhas sendo colocadas, lickers, ivys e por aí vai. Os efeitos sonoros de Resident Evil 2 e Resident Evil 3 somados e combinados com novos acabaram desempenhando um ótimo design de som.


Sobre a trilha sonora, cada mapa tem uma trilha sonora, um ponto bem positivo do que colocar uma mesma música para todos os cenários. Algo que aumenta a imersão do jogador e até um sentimento talvez nostálgico ou emocionante até um ponto de vista é a música da Ultimate Skill dos masterminds. Como destaque, coloco as músicas de G e de Mr. X. O tema de G, quando Annette coloca o monstro no campo de batalha, começa a tocar uma música com a mesma melodia de "The Second Malformation of G" do Resident Evil 2 original. Para aqueles que estão em dúvida, é o tema da batalha contra G quando os personagens estão descendo no bondinho rumo aos laboratórios da Umbrella. A música é bem nostálgica e até bem emocionante, capaz de avisar ao jogador que a coisa tá feia e que o melhor que ele pode fazer é correr e ficar atento para salvar seus colegas em eventuais situações.


O toque de Mr. X pega a melodia do tema sensacional do inimigo em Resident Evil 2 Remake. Se no próprio jogo já era tenso, em Resistance, o tema de Mr. X é ainda mais apavorante. No mais, as músicas do cenário e até as do menu, de saída, de quanto o tempo está acabando, foram bem feitas e são um destaque no jogo. Mas isso a gente nem precisava falar tanto, né? A gente sabe que a Capcom sempre consegue fazer trilhas sonoras incríveis.


PROBLEMAS DE SERVIDOR E BUGS

Você comprou Resident Evil 3 e quer testar o Resistance? Vai fundo, mas se prepare psicologicamente para não só aguentar os masterminds bem poderosos que colocam hordas imparáveis de zumbis com habilidades no campo de batalha como também erros de conexão e bugs constantes. Me impressiona, aliás, depois de algumas atualizações a Capcom não ter dado um jeitinho nesses servidores. Você pode ter a melhor internet do mundo, mas se o mastermind quem é o host da sala estiver numa conexão instável, acabou a partida para você, ele ganhou. Os erros constantes de conexão acabam levando a vantagem a ele quem vê sobreviventes travados ou bugados e pode fazer o que quiser, mesmo que depois os dados dos sobreviventes cheguem a ele, talvez seja tarde demais.


Já cansei de jogar tantas vezes com esses bugs. Por exemplo, estou na sala segura e quando saio o personagem cria um loop infinito de saídas da sala. Pior, quando você está caminhando num corredor vazio e de repente um zumbi te agarra, o cenário muda do nada e você perde 15 segundos... Tudo por esses erros de conexão com os servidores do Resistance. Em destaque, devo comentar que a pior parte para jogar é no último estágio quando os sobreviventes devem destruir os biocores espalhados no cenário. É muito comum, comigo e com outros jogadores, de nessa parte, por alguma razão, haver muitos erros de conexão. A partida pode ter sido ótima, nenhum bug nem nada, mas chega nessa parte e muitas vezes acontece erros constantes.


PERSONAGENS CARISMÁTICOS E CONCEITO DA HISTÓRIA

Felizmente, Resident Evil Resistance acertou no conceito de lore que construiu, mas, infelizmente, errou ao informar que o conceito não é canônico. Aí você me pergunta: "Mas como seria canônico?! Tem Jill, tem Annette, tem Nicholai".


Exatamente, um multiplayer não deveria ser canônico, é lógico. Mas o seu CONCEITO usando apenas alguns personagens seria uma adição bem legal no lore da franquia. Apenas o conceito usando os seguintes personagens: Alex Wesker, Daniel Fabron e os todos os sobreviventes com exceção de Jill. Durante a partida, é super legal ver esses dois masterminds falando com os sobreviventes. Daniel além de ficar zoando com a cara de suas cobaias, também fala sobre sua assistência a "Doutora Wesker". Já Alex, além de falar várias citações a Franz Kafka - o que é INCRÍVEL - também fala sobre o experimento e as ações do vírus diante o medo que as cobaias sentem. (Um adendo aqui, quem dubla Alex Wesker é Mary Elizabeth McGlynn, a mesma dubladora de Alex em Resident Evil Revelations 2 e a voz dela é perfeita e de longe é a mastermind com as melhores 'voice lines')


Se pelo menos esse conceito fosse canônico, seria muito bom saber que desde 1998, Alex Wesker já trabalhava em busca da imortalidade para Spencer buscando a resposta nas ações do medo e do pavor. E que ela teria executado junto o carismático Fabron esses experimentos cruéis anteriormente. Ou seja, o que poderia ser canônico é: "Alex e Daniel fazendo uma série de experimentos, a mando de Spencer, em cidadãos jovens de Raccoon City". Apenas isso, seria muito legal! Canoniza isso aí, Capcom, por favor!


Annette, Jill, Nicholai, o próprio Spencer, tudo poderia apenas ser elemento de gameplay não canônico. Até porque realmente não faz sentido Annette ser uma mastermind, ainda controlando G. Também não faz o menor sentido Jill e Nicholai estarem no jogo. Toda essa parte poderia ser considerada não-canônica e o resto do conceito entrando para o canon do jogo. E já que temos tantos elementos não-canônico e sem sentido, por que não colocar mais ainda? Por que não colocar Claire Redfield e Leon S. Kennedy como sobreviventes? Por que não colocar Albert Wesker como mastermind?


Falando também um pouquinho mais sobre os personagens, os sobreviventes também são carismáticos por suas habilidades e até por suas falas durante a partida. January é meu grande destaque. No começo da partida, ela já faz comentários ótimos e engraçados de uma "bad-ass girl", Valerie constantemente fica "rezando" para que o mastermind não seja "malvado" e deixe eles viverem. Martin é um cara meio atrapalhado e que é zoado pelo seu sobrenome 'Sandwich' pelos masterminds. De uma forma geral, os sobreviventes são bem legais e não foram simplesmente pessoas com habilidades específicas jogadas do nada no game.



COSMÉTICOS

Resident Evil sempre teve um flerte com skin e personalização de equipamentos. Resistance permite que você possa personalizar seus personagens, suas armas, os zumbis, colocar danças, linhas de voz etc. Os cosméticos são elementos super divertidos e que podem até ser um bom fator re-play pro jogo. Eu mesmo, jogo de vez em quando para tentar enfim conseguir aquela skin maravilhosa da Jill Retribution.


Porém, nem tudo é um mar de rosas. Para conseguir esses cosméticos, é preciso abrir o "Cosmetic Box" que custa 50000 Result Points (RP). Todos os dias você também pode conseguir um completando missões diárias que além da Cosmetic Box, permite você receber mais RPs. De qualquer forma, cada caixa abre apenas UM cosmético. Ou seja, você recebe uma Cosmetic Box e torce para ser uma skin ou um gesto, mas ela abre e sai uma "skin de arma". Demora muito para você colecionar os cosméticos do jogo gastando 50000 RP ou completando essas missões diárias para receber apenas uma bonificação ao invés de poder receber pelo menos duas ou três.


Cito ainda que é bem complicado farmar RP como sobrevivente já que a maioria das partidas, os masterminds tem vantagem e muitas vezes, as partidas que os masterminds estão perdendo, eles decidem quitar e isso penaliza bastante na bonificação de RP. Fora também que o único jeito de você completar as missões diárias é terminando a missão, ou morrendo ou escapando do experimento. Se a partida cair - o que acontece muito graças aos servidores do jogo - ou o mastermind quitar, pode dizer tchau pro seu progresso nessa missão. Por exemplo, sua missão diária é desarmar 10 armadilhas dos masterminds. Na partida em que você está jogando, você teve sorte e desarmou 10. Porém, lá no final, quando ela está prestes a acabar, o mastermind quita ou então tem um erro de conexão e a partida cai. Você receberá menos RP e essas armadilhas não contarão para você e para sua missão diária, logo, para completar a missão diária, você vai precisar jogar outra partida que talvez não tenha a mesma sorte da anterior.


Essa demora em farmar RP para comprar as caixas de cosméticos demora bastante e isso pode irritar bastante gente. E quando você consegue, só abre UM cosmético aleatório. Lógico que também não deveria abrir tudo de uma vez, até porque iria perder a graça e o fator re-play, mas considerando que é a maior parte dos jogadores jogam de sobreviventes e é difícil conseguir pontos assim, muitos acabam se sentindo sem paciência.


RESUMÃO


A Capcom tinha a chance de tornar Resident Evil Resistance em um grande multiplayer de Resident Evil. Mas com erros constantes de conexão e uma falta de equilíbrio muito grande onde os masterminds dominam o jogo, Resident Evil Resistance perde exponencialmente sua credibilidade e deixa de ser divertido e um jogo justo. Apesar de vir junto com o remake de Resident Evil 3, não serve como uma boa adição ao game. O jogo introduz muitos elementos bons para a franquia que, futuramente, podem ser levados em consideração para a canonicidade. E conforme vamos tendo atualizações, é de se esperar que o game possa melhorar e talvez atingir seu potencial de diversão. Infelizmente, sua estreia foi bem mal-executada, mas ainda sim, aconselho aos fãs darem uma chance. Talvez você possa se divertir até certo ponto e quem sabe ajudar com um feedback sincero para a Capcom transformar o Resistance em seu grande multiplayer. Ainda tem muito do que melhorar.


NOTA FINAL: 5,5 /10

Comentários